Tag "técnica construtiva"

Tags: , , ,

A Técnica Construtiva das Bases de Solo Arenoso


A TÉCNICA CONSTRUTIVA DAS BASES DE SOLO ARENOSO

FINO LATERÍTICO

22ª REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO

MACÉIO – 31 DE AGOSTO A 04 DE SETEMBRO DE 1987

 

Autores:

D.F.Villibor., J.S.Nogami., M.H.Sória

 

Resumo

No estado de São Paulo o uso rotineiro de bases de “solo arenoso fino lateritico”, SAFL, deu-se praticamente após 1975. Até então esses solos “in natura” só eram usados, rotineiramente em pavimentação, como camadas de reforço do subleito ou sub-bases.

Continue lendo………..

Faça o download: A TECNICA CONSTRUTIVA DAS BASES DE SOLO ARENOSO FINO LATERÍTICO

Postado em Pavimentação, Publicações Técnicas e ArtigosComentários (0)

Tags: , , , ,

Técnica Construtiva dos Pavimentos Econômicos: Importância da Imprimação Asfáltica Sobre Solos Arenosos Finos


TÉCNICA CONSTRUTIVA DOS PAVIMENTOS ECONÔMICOS: IMPORTÂNCIA DA IMPRIMAÇÃO ASFÁLTICA SOBRE SOLOS ARENOSOS

15º REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO

BELO HORIZONTE, SETEMBRO DE 1980

Autores:

Corrêa, F.C.; Villibor, D.F

Resumo

Relata investigação de laboratório e de campo tentando determinar as causas de variação bastante grande das características da imprimação sobre bases de solo arenoso fino.

Analisa em especial a influência da umidade de compactação, chegando à condusão que para compactação no ramo úmido não há penetração de imprimadura, e que no ramo seco esta é inversamente proporcional.

Apresenta ainda resultados de levantamento de teores de umidade em diversos trechos após a construção, indicando como umidade mais provável o valor hot – 2 %.

Baseado nestas influências e na experiência global adquirida propõe especificação tentativa para Imprimação de Bases de Solo Arenoso Fino.

Faça o download: TÉCNICA CONSTRUTIVA DOS PAVIMENTOS ECONÔMICOS – IMPORTÂNCIA DA IMPRIMAÇÃO ASFALTICA SOBRE SOLOS ARENOSOS FINOS

Postado em Pavimentação, Publicações Técnicas e ArtigosComentários (0)

Especificações dos SAFL para Bases de Pavimentos

Tags: , , , , , , , , , ,

Especificações dos SAFL para Bases de Pavimentos


As especificações do solo arenoso fino laterítico são fundamentadas em determinações de suas propriedades mecânicas e hídricas. Essas especificações impõem as seguintes condições para o emprego desses solos como base de pavimento: faixa_granulometrica– Composição granulométrica do solo tal que, 100% seja constituído por grãos que passem integralmente na peneira de abertura de 2,00 mm ou que possua uma porcentagem de grãos de, no máximo, 5% retidos nessa peneira. – Os solos devem pertencer à classe de solos de comportamento laterítico de acordo com a classificação MCT, ou seja, ser do tipo LA, LA´ ou LG´. – Os solos devem apresentar propriedades mecânicas e hídricas dentro dos intervalos indicados na tabela 5, quando compactados na Energia Intermediária do Mini-Proctor. A curva granulométrica destes solos é descontínua e eles devem apresentar uma granulometria que se enquadre na faixa indicada na figura 17, servindo portanto esta faixa como orientação para o emprego desses solos como bases de pavimento. tabela_valores_SAFLPara os solos de cada uma das áreas da figura 18 (abaixo) foram estudados detalhes da técnica construtiva mais adequada a fim de evitar qualquer defeito construtivo e minimizar o custo de construção.

figura18

Técnica Construtiva

A tabela 6 ilustra o Procedimento Construtivo e de Controle de Bases de SAFL e a figura 19 mostra seus detalhes construtivos.

tabela6

figura19

Peculiaridades sobre o Comportamento de Pavimentos com Base de SAFL Algumas peculiaridades observadas durante a vida de serviço dos pavimentos executados com bases de solo arenoso fino laterítico são: – Baixíssima incidência de ruptura da base, exceto em locais onde o lençol freático se encontra a menos de 1,0 m de profundidade e/ou em pontos de percolação de águas superficiais. – Pequenas deflexões, geralmente entre 20 e 60 (1/100 mm). – Pequenas deformações nas rodeiras, porém, sem trincamento do revestimento. – Baixa contração por secagem ao ar nos solos da área II resultando em placas de dimensões aproximadas de 50 x 50 cm na base, consideradas ideais como padrão de trincamento. Os solos da área I apresentam contração média a elevada, que conduz à formação de placas da ordem de 30 x 30 cm. – Excelente capacidade de receber compactação (solos das áreas I e II), alcançando facilmente o grau correspondente a 100% da MEASmax relativa à “energia intermediária”. – Facilidade no acabamento da base e baixo desgaste superficial sob a ação do trânsito de serviço. – Satisfatória receptividade à imprimadura, proporcionando uma boa aderência da camada de rolamento à base. – Superfície e borda pouco susceptíveis ao amolecimento por umedecimento. As peculiaridades mencionadas são relativas principalmente às áreas I e II da figura 18. Entretanto, cabe ressaltar que, quando da utilização de solos pertencentes às áreas III e IV, observa-se o seguinte: – Dificuldade de aceitar compactação. O grau de compactação atinge valores entre 93 e 97% da MEASmax relativa à “energia intermediária”. – Propensão para formação de “lamelas” na construção. – Dificuldade no acabamento da base, principalmente sob ação do tráfego de construção. – Superfície e borda da base muito susceptíveis ao amolecimento por absorção excessiva de umidade. Problemas de erodibilidade nas bordas quando sujeitas à ação d’água em segmentos onde não existem guias e sarjetas e/ou proteção lateral. Considerações sobre Defeitos no Pavimento devido às Deficiências da Técnica Construtiva Os principais defeitos incidentes em pavimentos com bases de SAFL decorrem de algumas deficiências no processo executivo e da interface base/revestimento. Estão indicados nos fluxogramas 3 e 4 respectivamente. fluxograma_3e4 Dentre as ocorrências mencionadas, os defeitos que mais afetam a vida de um pavimento com base de SAFL são: – Lamelas superficiais: decorrentes de pequenos aterros para acerto de greide, quando do acabamento, e de supercompactação superficial da camada, mais incidente em solos pouco coesivos. – Falta de imprimadura impermeabilizante ou taxa insuficiente, que não confere a coesão necessária na superfície da base, acarretando cravamento do agregado do revestimento na base. – Escolha inadequada do solo, por exemplo, com baixa capacidade de suporte, levando conseqüentemente a recalques e deformações excessivas, ou utilização de solos não coesivos ocasionando escorregamentos do revestimento.  Fonte/ livro: "Pavimentos de Baixo Custo para Vias Urbanas" – Bases Alternativas com Solos Lateríticos (Douglas F. Villibor e outros)

Postado em Pavimentação, Publicações Técnicas e ArtigosComentários (0)

  • +Lidos
  • Últimos
  • +Comentados
  • Tags
  • Assine