Tag "pavimento econômico"

Tags: , , , , , , , ,

Qual o Conceito de Pavimento Econômico?


As Perguntas e Respostas foram extraídas do Livro “Pavimentos Econômicos – Tecnologia do uso dos solos finos lateríticos” (2009) de autoria de Douglas Fadul Villibor e Job Shuji Nogami.

Qual o Conceito de Pavimento Econômico? 

É o pavimento que:

  • Utiliza base constítuida de materiais naturais ou misturados com pequena porcentagem de agregado, cujos custos de execução são substancialmente menores do que aqueles apurados nas bases tradicionais, como: brita graduada, macadame hidráulico, solocimento, etc.
  • Utiliza revestimento betuminoso, tipo tratamento superficial duplo ou triplo, com espessura máxima de 3 cm e, frequentemente, da ordem de 1,5 cm.
  • Suporta um tráfego máximo do tipo médio, com Nt ?106 solicitações do eixo simples padrão de 80 kN.
    A figura A.1 exemplifica uma secção transversal típica de um pavimento econômico rodoviário, sem escala e com medidas em m. Observe-se que a imprimadura impermeabilizante, também deve ser executada nas bordas da base e nos acostamentos, para evitar a infiltração de água pelas laterais.

 

Figura A.1 Secção transversal típica de um pavimento econômico rodoviário.

Para efeito de ilustração serão apresentadas as vantagens do uso de pavimento econômico com base de SAFL, em comparação com aqueles que usam bases tradicionais, abrangendo aspectos econômicos e ambientais.
Quanto ao aspecto econômico, foi realizado um estudo dos preços por m2 de pavimentos, com diversos tipos de base e revestimento de tratamento superficial duplo, utilizados em rodovias vicinais.
A figura A.2 ilustra a estrutura de um pavimento usual de rodovia vicinal (com 4 alternativas para a base), que forneceu subsídios ao estudo econômico.
Com esta estrutura foi gerado o orçamento, das camadas indicadas na tabela A.1 que teve, como referência, os preços unitários da tabela do DER-SP de Dezembro de 2008.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Figura A.2 Estrutura de um pavimento econômico, com diversos tipos de base.

A tabela A.2 apresenta dados para comparação dos preços unitários da base de SAFL e das tradicionalmente utilizadas no Estado de São Paulo, além dos preços dos pavimentos resultantes. Utilizou-se o preço por m2 dessas bases, considerando que tenham espessura de 15 cm e que a distância média de transporte seja de 5 km.
Analisando a primeira coluna da tabela A.2, verifica-se que o preço da base de SAFL é o menor, sendo da ordem de 29% do preço da de solo brita, ou da de solo cimento e 19% do de brita graduada. As duas últimas colunas (PT e RC) mostram que o preço total dos pavimentos com base de solo brita, solo cimento e brita graduada, é muito superior ao do pavimento com base de SAFL.

Tabela A.1 Preço de execução de camadas, por m2.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tabela A.2 Comparação de preços, por m2, de pavimentos com diversos tipos de base.


 

 

 

 

 

 

 

 

O tipo de base, com preço total mais próximo daquele correspondente à base de SAFL, é o solo brita, que resulta 53% mais caro; os demais resultam maiores, respectivamente: 54% (solo cimento) e 91% (brita graduada).
Esses percentuais mostram a grande vantagem do uso das bases de SAFL para a execução de rodovias vicinais:

com o orçamento necessário para executar 1.000 km de pavimento de solo brita (largura de 8,40 m), podem-se executar 1.530 km de um pavimento estruturalmente similar com SAFL, ou seja, construir uma extensão 53 % maior.
Além dos benefícios econômicos há, também, vantagens ambientais proporcionadas pelo uso das bases de SAFL, em relação às tradicionais de brita graduada, solo brita e solo cimento. Essas vantagens estão ligadas ao fato de suas jazidas serem ocorrências naturais, o que permite:

  • Executar um projeto de recuperação da área degradada pela exploração, com uma configuração que a reintegre à paisagem existente, além de proporcionar um sistema de drenagem superficial adequado, minimizando os danos ao meio ambiente.
  • Reconstituir a vegetação de sua superfície, por meio da reposição do material orgânico (proveniente da camada vegetal estocada quando da limpeza da jazida), diminuindo o dano ambiental, pela rebrota rápida da cobertura original.

Por outro lado, as bases tradicionais utilizam, na sua execução, materiais beneficiados (agregados britados e cimento), cuja obtenção cria sérios problemas ambientais, tais como:

  • Degradação da área explorada.
  • Ruídos e resíduos sólidos (pó) gerados na exploração das pedreiras.
  • Gastos com energia e equipamentos específicos para o beneficiamento
    dos materiais.

Esses três aspectos são relevantes na execução de grandes programas de rodovias vicinais, por demandarem elevadas quantidades de materiais beneficiados. Isto posto, ambientalmente, a alternativa do uso dos SAFL é a mais favorável
por gerar menor passivo ambiental do que as bases tradicionais.

Postado em Pavimentação, Perguntas e RespostasComentários (0)

  • +Lidos
  • Últimos
  • +Comentados
  • Tags
  • Assine