Tag "lateríticos"

O acostamento é essencial nos pavimentos rodoviários com base de solo agregado com finos lateríticos (SAFL, ALA ou SLAD)?

Tags: , , , , ,

O acostamento é essencial nos pavimentos rodoviários com base de solo agregado com finos lateríticos (SAFL, ALA ou SLAD)?


Sim, é necessário ter acostamentos pavimentados ou, no mínimo, uma faixa de proteção de 1,20 metro de cada lado da pista, também pavimentada. As bases de SAFL podem ser muito erodíveis em sua borda e, além disso, no período chuvoso, pode haver um aumento excessivo no teor de umidade da borda da pista do pavimento. O aumento é explicado pelo fenômeno da infiltrabilidade, que trata da movimentação da água em meios não saturados, cujas propriedades mais importantes são dadas pelo coeficiente de sorção e pela velocidade da frente de umidade que conduz a água para as rodeiras do pavimento. A observação de vários trechos já executados mostrou ser imprescindível a existência do acostamento, ou faixa de proteção mínima de 1,20m de cada lado, para evitar deformações indesejáveis nas rodeiras da rodovia e conduzir, assim, a um comportamento adequado durante a vida de projeto. Quando, por motivos econômicos, forem executadas em ambos os lados da borda da pista as faixas de proteção, elas deverão ser estabilizadas com cimento ou outro aditivo adequado para dar maior resistência à erosão por água livre, aumentar o confinamento das bordas da base e diminuir a sorção pelas bordas do pavimento. As Figuras 45 e 46 ilustram dois trechos: um sem acostamento, com drenagem deficiente, apresentando deformação no rodeiro externo e, outro, com acostamento e drenagem apropriada.

figura45e46

Postado em Pavimentação, Perguntas e RespostasComentários (0)

Considerações sobre Solos Tropicais e Conceito de Pavimentos de Baixo Custo

Tags: , , , , ,

Considerações sobre Solos Tropicais e Conceito de Pavimentos de Baixo Custo


Considerações Sobre Solos Tropicais

Os solos das regiões tropicais apresentam uma série de peculiaridades decorrentes das condições ambientais sendo, portanto, necessário se conceituar os solos de Peculiaridades Tropicais, ou seja, os tipos genéticos de solos encontrados em regiões tropicais. Os seguintes solos são encontrados em regiões tropicais: lateríticos, saprolíticos e transportados. A figura 2 ilustra um perfil esquemático da ocorrência destes tipos de solos. solo_neogenico

 Conceituação dos Solos Encontrados em Regiões Tropicais
 
Solos são materiais naturais não consolidados, isto é, constituídos de grãos separáveis por processos mecânicos e hidráulicos, de fácil dispersão em água, e que podem ser escavados com equipamentos comuns de terraplenagem (pá carregadeira, motoescavotransportadora etc.). Geralmente, os materiais constituintes da parte superficial da crosta terrestre e que não se enquadram na condição de solo, são considerados rochas, mesmo que isso contrarie as conceituações adotadas em geologia e em pedologia. O solo pode, também, apresentar-se como estrutura natural ou artificial. Terá estrutura artificial quando transportado e/ou compactado mecanicamente, em aterros, barragens de terra, reforços do subleito de pavimentos etc.
Dentro da classificação dos solos, aqueles que apresentam propriedades peculiares e de comportamento, são denominados de solos tropicais em decorrência da atuação de processo geológico e/ou pedológico típicos das regiões tropicais úmidas. Dentre os solos tropicais destacam-se duas grandes classes: os solos lateríticos e os solos saprolíticos. Os solos lateríticos (later, do latim: tijolo) são solos superficiais, típicos das partes bem drenadas das regiões tropicais úmidas, resultantes de uma transformação da parte superior do subsolo pela atuação do intemperismo, por processo denominado laterização.
Várias peculiaridades associam-se ao processo de laterização sendo, as mais importantes do ponto de vista tecnológico, o enriquecimento no solo de óxidos hidratados de ferro e/ou alumínio e a permanência da caulinita como argilo-mineral predominante e quase sempre exclusivo. Estes minerais conferem aos solos de comportamento laterítico coloração típica: vermelho, amarelo, marrom e alaranjado.
Os solos saprolíticos (sapro, do grego: podre) são aqueles que resultam da decomposição e/ou desagregação in situ da rocha matriz pela ação das intempéries (chuvas, insolação, geadas) e mantêm, de maneira nítida, a estrutura da rocha que lhe deu origem. São genuinamente residuais, isto é, derivam de uma rocha matriz, e as partículas que o constituem permanecem no mesmo lugar em que se encontravam em estado pétreo.
Os solos saprolíticos constituem, portanto, a parte subjacente à camada de solo superficial laterítico (ou, eventualmente, de outro tipo de solo) aparecendo, na superfície do terreno, somente por causa de obras executadas pelo homem ou erosões. Estes solos são mais heterogêneos e constituídos por uma mineralogia complexa contendo minerais ainda em fase de decomposição. São designados também de solos residuais jovens, em contraste com os solos superficiais lateríticos, maduros.
Uma feição muito comum no horizonte superficial, ou no seu limite, é a presença de uma linha de seixos de espessuras variáveis (desde alguns centímetros até 1,5 m), delimitando o horizonte laterítico do saprolítico. As figuras 3 e 4 ilustram a ocorrência de solos lateríticos e saprolíticos.
FIGURA 3: Corte Rodoviário, com camada laterítica sobrejacente a uma camada saprolítica de origem sedimentar, com as correspondentes microfábricas
FIGURA 4: Perfil de Solo Saprolítico de Folhelho
A figura 4 ilustra a ocorrência de um perfil de Solo Saprolítico em um corte rodoviário.
FIGURA 5: Ocorrência de Solos de Comportamento Laterítico no Território Brasileiro
 

Conceito de Pavimentos de Baixo Custo

 Um pavimento é considerado do tipo Baixo Custo, quando: – Utiliza bases constituídas de solos locais in natura, ou em misturas, com custos substancialmente inferiores às bases convencionais tais como: brita graduada, solo-cimento, macadame hidráulico ou macadame betuminoso; – Utiliza revestimento betuminoso esbelto do tipo tratamento superficial ou concreto betuminoso usinado a quente, com espessura de, no máximo, 3,0 cm; – É dimensionado para atender os tráfegos: – Urbano, de muito leve a leve, de acordo com a classificação de vias apresentada no Capítulo 6; – Rodoviário, com VDM inferior a 1500 veículos, com no máximo 30% de veículos comerciais, e com N < 5 x 106 solicitações do eixo simples padrão de 80 kN -> sistema SI. Nos pavimentos rodoviários há experiências com volumes superiores ao máximo especificado; no entanto, o uso dessas bases para rodovias de tráfego pesado somente poderá ser recomendado a partir dos resultados das pistas experimentais (faixas adicionais), já implantadas em alguns sub-trechos de rodovias paulistas.

Considerações para a Utilização de Pavimentos com Solos Lateríticos 

A condição para o uso de solos lateríticos de granulação fina como material para bases in natura, ou com misturas com agregados, é a sua ocorrência em área próxima às obras e condições ambientais adequadas. Segundo dados geológicos, pedológicos e climáticos disponíveis, essa condição ocorre em regiões de quase todos os estados brasileiros, conforme indicado na figura 5. A grande maioria dos pavimentos executados com bases de solos lateríticos apresenta comportamento altamente satisfatório e localizam-se em regiões com os seguintes tipos climáticos, segundo Köppen: – Cwa (quente com inverno seco). – Aw (tropical com inverno seco). – Cwb (temperado com inverno seco).
A precipitação pluviométrica anual nestas regiões situa-se entre 1000 e 1800 mm, com temperatura média anual superior a 20 º C. Algumas vias urbanas foram executadas com sucesso em regiões de clima equatorial com volume anual de chuvas superior a 2000 mm, por exemplo, na pavimentação de vias da cidade de Rio Branco – AC. Nesse caso, o pavimento acha-se confinado por guias e sarjetas e com revestimento constituído por concreto betuminoso usinado a quente executado sobre uma camada de proteção anticravamento de tratamento superficial simples.
Para o emprego de solos lateríticos em pavimentos urbanos, tanto o projeto geométrico quanto o de drenagem devem atender às características técnicas apresentadas a seguir: – Obrigatoriedade de execução de guias e sarjetas. – Perfil longitudinal com declividade mínima de 1% e máxima de 8%. – Seção transversal com declividade entre 3 a 4%. – Exigência de execução do passeio, preferencialmente com revestimento em concreto, para evitar infiltração d’água por trás das guias e sarjetas. – Execução de um sistema eficiente de captação de águas pluviais e servidas, evitando o acúmulo de água em pontos baixos. – Execução de drenagem profunda para rebaixamento do lençol freático a, pelo menos, 1,50 m em relação à cota final de terraplenagem (CFT).
Fonte/ livro: "Pavimentos de Baixo Custo para Vias Urbanas" – Bases Alternativas com Solos Lateríticos (Douglas F. Villibor e outros)

Postado em Pavimentação, Publicações Técnicas e ArtigosComentários (0)

  • +Lidos
  • Últimos
  • +Comentados
  • Tags
  • Assine