Deterioração Estrutural de Bases de Solo Arenoso Laterítico

36.a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO – 36.ª RAPv
CURITIBA/PR – BRASIL – 24 a 26 de agosto de 2005
DETERIORAÇÃO ESTRUTURAL DE BASES DE SOLO ARENOSO FINO LATERITICO

Douglas Fadul Villibor; Alexandre Zuppolini Neto ; Fábio Quintela Fortes & Cláudio Nogueira Junior

Resumo

As bases de Solo Arenoso Fino Laterítico (SAFL), apresentam peculiaridades de comportamento estrutural e, conseqüentemente, de deterioração do pavimento, que as diferenciam dos demais tipos de base. Isto se deve à coesão natural que atua na base de SAFL ao longo de toda a sua vida útil. Essa propriedade está relacionada, principalmente, ao comportamento laterítico dos finos do solo, ao processo de compactação e ao fenômeno de capilaridade desenvolvido pela estrutura da base. Estas características são muito diferentes da cimentação química que ocorre no caso de solocimento.
As bases de SAFL lembram um arenito natural cimentado por argila, com trincas verticais e horizontais interligadas, formando blocos encaixados entre si e com as camadas inferiores. Esses blocos têm a capacidade de transmitir esforços entre si, trabalhando em conjunto e sem movimentos isolados. Com isso, os fenômenos de fadiga e de bombeamento não têm sido fatores determinantes da deterioração da estrutura da base. Em função dessas características, os SAFL apresentam um comportamento estrutural e de deterioração diferenciado, tanto das bases fortemente coesivas de solo cimento, como das bases granulares não coesivas.
Com o objetivo de analisar o processo de deterioração estrutural da base de SAFL, ainda pouco difundida no meio técnico, este trabalho apresenta as diferenças de comportamento estrutural e os fenômenos de deterioração de pavimentos com bases de SAFL.
PALAVRAS-CHAVE: BASE DE SOLO ARENOSO FINO LATERÍTICO (SAFL); PECULIARIDADES DO COMPORTAMENTO ESTRUTURAL; FENÔMENO DA DETERIORAÇÃO DO SAFL.
ABSTRACT
The pavement bases of Fine Grained Lateritic Soils (SAFL) present peculiarities of structural behavior and, consequently, of pavement deterioration, that differentiate them from the other types of bases. It is due to the natural cohesion that acts in the SAFL´S base throughout its useful life. This property is, mainly, related to the lateritic behavior of the fine ones of the pavement, to the process of compacting and the phenomenon of capillarity developed by the base structure. These characteristics are very different of the chemical face-hardenings which occurs in the case of cement soil base.
The bases of SAFL are natural sandstone cemented by clay look-alike, with vertical and horizontal linked cracks, forming on encased blocks among themselves and the inferior layers. These blocks have the capacity for transmit efforts among themselves, working together and without any isolated moves. In function of that, the pumping and fatigue phenomena have not been seen as determinant factors of the deterioration of the base´s structure. Based on these characteristics, the SAFL presents a structural and differentiated deterioration behavior, as much of the strong cohesive bases of cement soil, as of the bases to granulate not cohesive.
Aiming to analyze the process of structural behavior and deterioration phenomena’s of the SAFL bases, still little disseminated in technician media, this work presents the differences of behavior and the phenomena of deterioration of pavement with SAFL bases.
KEYWORDS: FINE GRAINED LATERITIC SOILS (SAFL); PECULIARITIES OF STRUCTURAL BEHAVIOUR; DETERIORATION´S PHENOMENON OF THE SAFL.

Faça o download: Deterioração Estrutural de Bases de Solo Arenoso Fino Lateritico

2 Comments For This Post

  1. dean Says:

    estou trabalhando com o seixo arenoso, mais depois dois três dias imprimada e com o trafego sobre ela, começou aparecer aparecer pontos de desagregação e isto esta mim preocupando, o q pode ser pode, sera falta de umidade em algum pontos

  2. portaldetecnologia Says:

    Boa tarde,
    O solo não deve ser coesivo e a imprimadura impermeabilizante, neste caso, não deve ter dado coesão suficiente na superfície para resistir aos esforços de arrancamento do tráfego. Se estes pontos de desagregação não ocorrerem em grande intensidade no segmento executado, não vejo problema estrutural, e estes locais devem ser novamente imprimados. Sugiro executar um pequeno segmento experimental, imprimá-lo com 1,2 l/m² de CM-30 e esperar sua cura por 12 h. Após este período, caso ocorra resíduo betuminoso na superfície, jogar areia fina antes de soltar o tráfego, que deverá não exceder 15 dias.
    Qualquer dúvida falar com Douglas Villibor (11) 2134-7577.

Participe, faça um comentário

  • +Lidos
  • Últimos
  • +Comentados
  • Tags
  • Assine